Boato de toque de recolher fecha comércio e escolas em bairro de Simões Filho; polícia nega


Mensagens com suposta ordem para fechar estabelecimentos comerciais teria sido compartilhada nas redes sociais.

De acordo com mensagens de áudio e imagens,  a ação programada para fechar escolas e o comércio do bairro KM-30, em Simões Filho,  pode estar relacionada a morte de dois homens em Salvador, ligados ao grupo da comunidade.

A polícia não confirma, mas na tarde de segunda-feira (9) dois homens foram mortos em confronto com a polícia, nas imediações do Aeroporto de Salvador. A dupla trazia armas e drogas, quando foi surpreendida por uma equipe especializada de segurança. 

O caso

O boato sobre um suposto toque de recolher no início da manhã desta terça(10) em Simões Filho fez com que o comércio, posto médico  e escolas do bairro KM-30  fechassem desde às 08h. A polícia nega que criminosos tenha ordenado o fechamento dos estabelecimentos.

De acordo com informações de um  morador do bairro, que não quis ser identificado, o expediente do posto de saúde foi fechado. Outros dois colégios que ficam localizados no Tiro Seguro e Avenida Camaçari também tiveram as aulas suspensas desde o final da manhã.

Segundo o comandante da 22ª Companhia Independente de Polícia Militar, Major Fábio Dias,  equipes foram deslocadas para a região desde o início do boato. Ele nega que haja clima de tensão no bairro e diz que muitos estabelecimentos continuam abertos.

De acordo com os moradores, a ações de retaliação foram programadas por meio de mensagens compartilhadas no aplicativo Whatsapp. Mas ninguém soube informar qual seria a real motivação para o suposto toque de recolher.