Modelo é condenado a 14 anos de prisão por morte de fisioterapeuta - Fala Simões Filho - Notícias de Simões Filho
Dias d´Ávila

Modelo é condenado a 14 anos de prisão por morte de fisioterapeuta

Após um julgamento de mais de 16 horas que encerrou por volta de 0h30 de terça-feira (30), a Justiça do Amapá condenou a 14 anos de prisão em regime inicialmente fechado o modelo Sérgio Luiz Ribeiro da Silva, de 22 anos, acusado de furtar e matar com um golpe de jiu-jítsu o carnavalesco e fisioterapeuta Francisco Chagas, em julho de 2015.

O réu foi enquadrado nos crimes de homicídio qualificado, furto e ocultação de cadáver. Ele ainda foi sentenciado com 20 dias-multa. A defesa recorreu logo após o resultado. Sérgio Luiz foi ouvido na noite de segunda-feira (29) no plenário completamente lotado após a oitiva de mais de dez testemunhas. Nas alegações, ele chorou e disse que não teve a intenção de matar.

A tese foi reforçada pela defesa que nas argumentações sustentou a inocência de Sérgio. O advogado do réu, Osny Brito, diz que trabalha com homicídio culposo, quando não há intenção e matar, já que segundo ele, o fato ocorreu de maneira acidental, pois os dois tinham um caso.

Crime
O corpo de Francisco das Chagas Pereira foi encontrado pela Polícia Militar (PM) por volta de 10h30 do dia 1º de junho de 2015. O cadáver foi achado sem roupas e com marcas de sangue em uma área de mata no residencial Alphaville, no distrito de Fazendinha, distante 9 quilômetros da capital. Com o acusado foi encontrado o carro e objetos pessoais da vítima.

Em depoimento na delegacia, o modelo confessou ter matado a vítima com um golpe de jiu-jítsu e disse que estava sob efeito de cocaína, segundo o advogado de defesa, à época. O laudo da Polícia Técnico-Científica (Politec), no entanto, deu negativo para o uso de substâncias entorpecentes, segundo a Polícia Civil. Vítima e suspeito se conheciam havia cerca de quatro meses, de acordo com a polícia, e estariam bebendo na casa do fisioterapeuta.

O corpo da vítima foi velado na sede do Ministério Público do Amapá, em 2 de julho, órgão onde era servidor público. Ele foi levado para sepultamento em Fortaleza, no Ceará. Antes de embarcar, a escola Maracatu da Favela realizou uma roda de samba para homenagear a vítima, que também era carnavalesco da agremiação.

Francisco das Chagas Pereira foi morto e teve o
corpo jogado em matagal 

Click to comment

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

To Top